Cascais e suas facetas

19 de Março de 2017

A tradicional

cascais2015a

e a moderna Leia o resto deste artigo »


Campanha eleitoral

18 de Setembro de 2015

Em plena campanha, com eleições na Grécia à mistura, seria normal que os media comentassem, publicassem e estivessem a pau com todos os problemas actuais, um dos quais é obviamente a propalada divida externa.

Nada disso!  As Nações Unidas publicaram em 11 de Setembro um press-release com uma importante noticia que deveria ter sido dissecada, analisada e comentada aproveitando a campanha, mas por cá parece estarem amarrados a este folclore de cariz futebolístico sobre quem ganha os debates, entre o penteadinho Coelho e o colérico Costa. Para mim, continuo convencido que se trata de pura e descarada manipulação da informação, para preservar este modelo colonizador de anexação disfarçada de unificação europeia.

ONU_11SET

Embora se trate por enquanto apenas de um acordo sem poder vinculativo, é esclarecedor quanto ás verdadeiras intenções de cada país, nomeadamente dos que votaram contra: Canadá, Alemanha, Israel, Japão, Reino Unido, Estados Unidos. Irritantemente, não divulgaram os resultados detalhados da votação, pois para muitos eleitores seria certamente interessante saber se Portugal votou a favor ou se absteve.


O homem descobriu a pólvora

20 de Julho de 2015

A fazer fé nalguns media, parece que o Monsieur Hollande terá descoberto a pólvora ao sugerir um governo comum dos seis países do euro, dos primeiros na U.E. . Ora, é mentira, como se pode apreciar no excerto seguinte tirado do livro de 1969 ‘Para compreender as crises monetárias´, de Jacques Khan (clicar para ampliar). Até aqui, menos mal, o homem andava distraído, não se lembrava, não conhecia…a questão nem é essa.

JKhan

A questão que se coloca hoje é óbvia: na altura era lógico que fossem apenas seis. Mas hoje? E os restantes membros do euro? São descartáveis? Agora, depois de terem destruído importantes sectores do tecido industrial desses países, querem ‘reinventar’ a U.E., uma reinvenção dividida entre países de primeira e de segunda?

Um bocadinho de seriedade, por favor,,,,,,,,


As ilhas Selvagens

13 de Abril de 2015

Nós portugueses por vezes esquecemos que a fronteira sul do país não é o Algarve, nem sequer a Madeira, são estas ilhas já a caminho das Canárias. Não são rochedos, são ilhas, um pequeno arquipélago. Vem isto a propósito da manchete de ontem do DN, que dava erradamente a impressão que o governo espanhol estaria a ceder perante as nossas pretensões, já manifestadas junto das N.Unidas quanto á soberania sobre o arquipélago e respectivos direitos sobre a extensão marítima adjacente e respectiva plataforma. Não vale a pena alongar-me muito, o assunto já está bem explicado pelo Pedro Quartin Graça, basta ver o seu blog http://ilhasselvagens.blogs.sapo.pt/,. e ler o livro que publicou sobre este tema:


Jardim Zoológico

5 de Março de 2015

mensagem acabada de enviar á TSF, ao jornalista Fernando Alves:

Caros Srs.

Não tenho filiação partidária, mas parece-me deplorável o tempo de antena concedido ao Sr. Pinto de Sousa.

No estado a que o pais chegou, (sistema híbrido entre a democracia e a cleptocracia, falta só estabelecer a matriz de avaliação que apure o peso relativo de cada uma), enquanto cidadão sinto-me ofendido pelo desrespeito que isto representa perante estruturas do Estado por nós pagas e sustentadas, como Juízes e Ministério Público.

Já acompanhei um processo destes suficientemente de perto para perceber que se trata de fantasia demencial pensar que um qualquer juiz ou procurador se atreveria a prender uma figura como esta (apesar de por vezes o apelidarem de animal feroz, relembro os que lerem este breve texto que as sociedades organizadas há muito que aprenderam a lidar com animais ferozes; alguns infelizmente foram extintos, outros estão no Jardim Zoológico, outros no que resta de selva) sem fortes e sólidos indícios criminais. Por alguma razão o vosso director abandonou a defesa do cidadão, meio à pressa e de muito mau humor.

Nestes tempos de excepção, a presunção de inocência assumiu um valor essencialmente técnico para consumo interno do sistema judiciário, cujos agentes obviamente terão que seguir e respeitar pois serão chamados a julgar com base em provas e seu enquadramento técnico-legal. Dado que neste caso a espécie não está extinta e Portugal não é uma selva, a vossa atitude apenas transforma a prisão de Évora num Jardim Zoológico, o que por sua vez poderá ser ofensivo para os restantes detidos que lá se encontram.

Poupem-nos e lembrem-se dos princípios básicos do jornalismo, se já esqueceram podem perguntar ao Joaquim Vieira, por exemplo.

Cumprimentos para todos.

L. Azevedo


Estatísticas de 2014

29 de Dezembro de 2014

The WordPress.com stats helper monkeys prepared a 2014 annual report for this blog.

Here’s an excerpt:

A San Francisco cable car holds 60 people. This blog was viewed about 680 times in 2014. If it were a cable car, it would take about 11 trips to carry that many people.

Click here to see the complete report.


Money, money, money

28 de Junho de 2014

Agora que o dólar se vai gradualmente esfumando como moeda de reserva mundial, vale a pena recordar que já estivemos em tempos nesse ‘campeonato’, fomos até os primeiros:

Currency